Informação policial e Bombeiro Militar

quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Veja como vai ficar os salários das Forças Armadas de 2016 até 2019, concedido por Dilma.




Reajuste salarial dos militares será de 27,9%. Primeira parcela de 5,5% em agosto.

Brasília, 30/12/2015 – O governo encaminhou nesta quarta-feira ao Congresso Nacional o Projeto de Lei que trata do reajuste salarial dos militares das Forças Armadas. A mensagem da Presidência da República foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União de hoje.
O Ministério da Defesa, desde o início do ano, estabeleceu uma série de diálogos com a equipe econômica do governo. Nos últimos dias, conseguiu elevar o índice de reajuste do soldo dos militares, que anteriormente estava em torno de 25,5%, para uma média de 27,9%.
“Conseguimos a garantia de que teremos os soldos reajustados dentro das possibilidades econômicas do país”, explica o secretário-geral do Ministério da Defesa, general Silva e Luna.
A expansão da folha de pagamento de militares será concedida ao longo dos próximos quatro anos, sendo 5,5% a partir de agosto de 2016.
O reajuste será escalonado, com maiores percentuais para as graduações do início de carreira e postos intermediários, indicados como prioritários pelos Comandos das três Forças. Os índices variam de 24,39% a 48,91%.
Esse reajuste incide sobre os soldos. No entanto, como as gratificações são vinculadas a ele, também terão seus valores corrigidos na composição da remuneração bruta do militar.
Dessa forma, a remuneração bruta (com as gratificações) média dos oficiais generais, que atualmente varia de R$ 21.777 a R$ 25.433, será de R$ 27 mil a R$ 31.636, em 2019.
No caso dos oficiais superiores, que atualmente ganham, com gratificação, entre R$ 14.472 e R$ 17.068, ganharão, em 2019, entre R$ 18.212 a R$ 21.340, em média.
Os oficiais subalternos e intermediários, com remuneração bruta atual de R$ 8 mil a R$ 10.878, em média, passarão a receber valores que vão de R$ 9.990 a R$ 14.309.
Os praças, que ganham atualmente remunerações que variam de R$ 1.021 a R$ 7.463, em média, passarão a receber de R$ 1.270 a R$ 9.845 até o final do período de quatro anos.
As gratificações variam de acordo com a experiência, competência, local de trabalho do militar, por exemplo. Sobre essa remuneração bruta incidem os descontos obrigatórios, como o imposto de renda, contribuição para a pensão militar e para o fundo de saúde da Força.
DEFES/montedoc.com

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Pernambuco: Bandidos assaltam posto de combustível a poucos metros de batalhão da PM


Bandidos assaltam posto de combustível a poucos metros de batalhão da PM

Os suspeitos chegaram em um carro branco. Dois homens e duas mulheres participaram da ação

Publicado em 



Site da TV Jornal 

Reprodução/TV Jornal

A ação ousada de quatro bandidos em um posto de combustível, na Avenida Agamenon Magalhães, bairro do Torreão, região central do Recife, foi registrada por câmeras do circuito de segurança do estabelecimento. A proximidade do local com o prédio da Central de Plantões, onde também funcionam o 13º Batalhão da Polícia Militar e o Instituto de Criminalística, não intimidou os assaltantes.

As imagens mostram quando os suspeitos chegam em um carro branco. Do veículo descem duas mulheres e dois homens, um deles armado com uma espingarda e com o rosto coberto. As duas jovens vão ao escritório, enquanto os suspeitos abordam os funcionários.

A ação durou menos de um minuto e o grupo fugiu levando dinheiro e celulares dos frentistas. De acordo com o proprietário, que conversou com exclusividade com a produção do programa Bronca Pesada, esse foi o quarto assalto ao posto de combustível somente este ano.




PB do 11º BPM da PMPE, juntamente com a guarnição da Malha da Lei apreende menor armado com revólver cal. 38 na Linha do Tiro. Veja.

PMPE-DIM-11 BPM

APREENSÃO DE ARMA DE FOGO NO BAIRRO DA LINHA DO TIRO

Por volta das 19h40 de 29 DEZ 15, Policiais Militares componentes da PB 5083 e Equipe da Malhas da Lei/11ºBPM, após tomarem conhecimento através de colaborador, que nas proximidades da igreja, sito à Rua Córrego da Jaqueira, em Linha do Tiro, teria um indivíduo utilizando uma arma de fogo; de pronto, os PMs seguiram ao local, onde apreenderam o adolescente J M S, RG nº xxxxc-SDS-PE, nascido em 16/07/99, com 16 anos de idade, filho de N M da S e A M S, residente à Rua Porto de Pedra, nº 78, mesmo bairro, o qual estava de posse do revólver Rossi, cal. 38, nº D 361192.
O infrator foi conduzido à GPCA, onde foi lavrado em seu desfavor o Auto de Apreensão em Flagrante por Ato Infracional (AAFAI), relativo ao Porte Ilegal de arma de fogo, conforme ocorrência de sequencial M 8140043.





terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Bandido é morto ao tentar assaltar ônibus no Cabo, eles eram em número de três elementos, quando eles anunciaram o assalto, um passageiro reagiu matou um, feriu um outro e o terceiro fugiu! Veja.



Bandido é morto ao tentar assaltar ônibus no Cabo

Outros dois homens participaram da ação. Um deles ficou ferido e o outro conseguiu fugir


JC On line

Um assalto a ônibus terminou com um bandido morto e um ferido na noite desta terça-feira (29) na BR-101, bairro da Charneca, Cabo de Santo Agostinho, Grande Recife. Um terceiro assaltante participou da investida, mas conseguiu fugir.

Segundo informações repassadas pelo 18ª Batalhão de Polícia Militar (BPM), por volta das 19h, os suspeitos subiram no coletivo, que fazia a linha Recife/Ribeirão, e anunciaram o assalto. Um dos passageiros, que não foi identificado, reagiu efetuando vários disparos.

Um dos homens morreu no local e outro foi baleado e encaminhado para o Hospital Dom Helder. A identidade de nenhum deles foi divulgada pelo 18º BPM. O terceiro integrante do bando fugiu. O corpo do suspeito morto foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML), no Recife. O caso foi registrado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP

Associado da ACS-PE tem 30% de desconto na matrícula e 20% na mensalidade no Grau Técnico, os descontos também são estendidos aos dependentes! Veja.






Você que vai viajar para o interior do Estado de Pernambuco para passar o final de ano, lembre-se estar faltando combustível no interior do Estado! Logo programe-se. Veja.




























Desabastecimento deixa postos do interior de Pernambuco sem gasolina

Alguns postos da Região Metropolitana do Recife também podem ser atingidos

Por: Mariana Fabrício - Diario de Pernambuco

Publicado em: 29/12/2015 11:53

Atualizado em: 29/12/2015 22:19

O cronograma de entregas foi comprometido desde o mês passado, quando foi deflagrada a greve dos petroleiros. Foto: João Velozo/DP.
O cronograma de entregas foi comprometido desde o mês passado, quando foi deflagrada a greve dos petroleiros. Foto: João Velozo/DP.
Postos de combustíveis do interior do estado enfrentam falta de gasolina há oito dias. Barreiros, Palmares, Caruaru e Gravatá são algumas das cidades atingidas pelo desabastecimento. De acordo com o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo de Pernambuco (Sindicombustíveis-PE), a falta foi provocada pelo atraso na chegada de navios das trasportadoras, pelo porto de Suape.

Segundo alguns revendedores, a demora atinge o interior pela distância do porto. Os postos mais atingidos são os chamados "bandeira branca", aqueles que não possuem contrato com uma só empresa para fornecimento de combustíveis. Estes estabelecimentos representam cerca de 60% no interior, de acordo com o Sindicombustíveis.

"Nós estamos pressionando por respostas. O posicionamento que temos é que entre os dias 30 e 31 deste mês o navio estará chegando. Mas cidades do interior já estão há muito tempo sem gasolina e a situação pode atingir a Região Metropolitana. A restrição chega em um momento de fim de ano, quando muitas pessoas viajam e isso nos preocupa", diz o presidente do Sindicombustíveis-PE, Alfredo Pinheiro Ramos.

De acordo com Pinheiro, outros estados também enfrentam dificuldades, como Alagoas, Ceará e Maranhão. Já no interior de Pernambuco o atraso é considerado caótico para quem revende o produto. "Tenho negócio em Belém de Maria, na PE 120 e no Cabo de Santo Agostinho. A bomba está fechada desde o dia 22 de dezembro e a previsão é normalizar apenas em janeiro", conta o revendedor de combustíveis Otávio Júnior.

O cronograma de entregas foi comprometido desde o mês passado, quando foi deflagrada a greve dos petroleiros. Para o presidente do Sindicombustíveis, outro motivo é o pouco volume recebido. Com o aumento de 6% nas refinarias, a quantidade na entrega tem diminuído nos postos. "Há um mês percebemos demora na liberação, um pouco de atraso que afetou também na porção que chega às bombas", completa Alfredo Pinheiro.

A Agência Nacional de Petróleo e Gás (ANP) foi procurada pelo Diario e ainda não se posicionou sobre o assunto. A Petrobras informou, através de um comunicado enviado há instantes, que “a previsão de chegada do navio de gasolina em Pernambuco é amanhã, dia 30/12/15”.





Sócio da ACS-PE tem desconto de 30% na Universidade Salgado de Oliveira-UNIVERSO.










SDS-PE Faz mudanças nos Comandos e Sub comandos de Batalhões e Companhias da PMPE. Veja.

*BG SDS N° 241, de 24DEZ2015.











segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Também concordo com essa solução: ‘A solução é desmilitarizar as PMs e permitir que a polícia investigue’

‘A solução é desmilitarizar as PMs e permitir que a polícia investigue’

Por SONIA RACY
28/12/15

ESTADÃO http://cultura.estadao.com.br/blogs/direto-da-fonte/a-solucao-e-desmilitarizar-as-pms-e-permitir-que-a-policia-investigue/
Foto: Arquivo pessoal

Foto: Arquivo pessoal

Ex-secretário nacional de Segurança Luiz Eduardo Soares, que acaba de lançar
novo livro, diz que o atual modelo policial está ‘contratando a violência futura’
e que é essencial  ‘preservar a Lava Jato’

Antropólogo, cientista político e escritor, Luiz Eduardo Soares reúne no seu mais recente livro os assuntos que mais conhece: Rio de Janeiro, política e segurança pública. A obra, Rio de Janeiro – Histórias de Vida e Morte, lançada em novembro, terá versão em inglês e lançamento internacional em março na Inglaterra. É um relato de histórias que desconstrói o clichê de “cidade maravilhosa”. Depois de atuar na área de segurança pública nas esferas federal, estadual e municipal, Soares diz nesta entrevista à repórter Marina Gama Cubas que entre seus próximos objetivos está retomar os projetos da juventude – e o principal é dedicar-se mais à literatura.

Mas a agitada convivência com as ciências sociais e a antropologia não o deixam afastar-se, é claro, dos temas ligados à sociedade – em especial, a segurança. Tanto que ele inclui, entre suas missões, ampliar o debate sobre a PEC 51, que trata de mudanças na estrutura do modelo policial brasileiro. “As UPPs estão em ruínas”, alerta. Ao levar jovens pobres de periferia para a cadeia, “estamos contratando violência futura” – pois ao sair eles estarão, aí sim, “prontos para a criminalidade”. Uma de suas propostas: “Que não haja Polícia Militar” e que se adote “o ciclo completo” – ou seja, policiais atuando “desde o patrulhamento à investigação”.
Dedicado, atualmente, à tarefa de porta-voz da Rede Sustentabilidade, Soares avisa: não pretende mais assumir cargos políticos. Mas continuará carregando a bandeira por uma profunda reforma na segurança pública e para que a Lava Jato não seja obstruída. A seguir, os principais trechos da entrevista.
 Seu novo livro trata de sua juventude, do regime militar, da experiência no PT, de episódios que envolvem prefeitos, administradores e até traficantes. São todas histórias reais ou há ficção? 
A estrutura narrativa é análoga à da ficção, mas não há ficção nas histórias. É claro que, para viabilizar alguns relatos, tive que trocar nomes ou suprimir informações. Mas, sempre que possível, tentei evitar isso.
 O que o levou a adotar essa estrutura, sem se aprofundar em análises, como tem sido comum em sua obra?
O projeto do livro era alcançar um público amplo, não acadêmico, e falar sobre a cidade de uma forma mais original. E também atrair o público internacional. Meu desafio foi inscrever na própria narrativa o elemento analítico.
 Seria uma tentativa de retorno aos seus primeiros projetos, quando optou por fazer Literatura na graduação?
Explicitamente não sei, mas inconscientemente sim. De um lado está o interesse por me comunicar com um universo mais amplo de leitores, uma audiência internacional. Do outro, é uma oportunidade de exercitar a narrativa, ainda que, nesse caso, com o compromisso com o realismo. A ideia é mostrar o Rio de Janeiro por um mosaico que indique aos leitores esferas diferentes da cidade. É, sobretudo, uma guerra contra o clichê. Porque, é preciso vencer a ideia da “cidade maravilhosa”, que circunscreve a experiência do Rio como se fosse uma blindagem contra uma imersão um pouco mais crítica.
No livro, você diz que as UPPs ajudariam a modernizar o tráfico de drogas. Por quê?
Quando elas existiam e funcionavam, poderiam ajudar a modernizar o tráfico porque impediriam o domínio territorial por parte do tráfico armado. Assim, o tráfico teria que agir como na maioria das partes do mundo: ao invés de controlar um território, formar um exército, investir na coesão interna e no confronto bélico para manter o domínio territorial, funcionaria no varejo nômade sem necessidade de uso de armas e domínio territorial. As UPPs empurrariam o tráfico para uma posição mais racional e isso teria indicações positivas até do ponto de vista da segurança porque teríamos menos morte, menos armas, menos violência. O que teríamos seria um comércio ilegal.
Por que você se refere às UPPs no tempo passado?
Hoje elas estão em ruínas. É um projeto fracassado porque as polícias continuam as mesmas e os resultados são previsíveis, por mais bem intencionados que sejam.
 Você foi secretário nacional da Segurança Pública em 2003. O que nota de avanço e de retrocesso na área desde então?
Houve experiências importantes em Minas, em Pernambuco, no Rio. Mas elas continuam sendo exceções e o que predomina no Brasil nessa área é a estagnação. Essas boas experiências são sempre iniciativas contra a corrente, que procuram minimizar os malefícios decorrentes do modelo policial vigente. A rotina ditada pela institucionalidade, que aposta no sentido da divisão e do apartamento joga toda as conquistas no ralo. E qual o nosso quadro atual na segurança? É trágico – 56 mil homicídios dolosos por ano, 8% investigados. Temos 92% de homicídios impunes, não investigados. Mas mesmo com esses números não se deduz que o Brasil é o país da impunidade. Esse é o pulo do gato para compreender o nosso quadro na segurança pública.
Como assim?
Por que não somos o país da impunidade? Porque temos a quarta maior população penitenciária do mundo e a que mais cresce nos últimos 13 anos – 640 mil presos em 2014. Mas os crimes mais graves não são investigados. E o motivo é muito simples de compreender: a Polícia Militar está proibida de investigar, mas está na rua e é instada a apresentar resultados. E o que significa “produzir”, para a PM? Prender. Mas se ela não pode investigar, como é que prende? Em flagrante. Só que os crimes passíveis de prisão em flagrante nem sempre são os que deveriam ser prioritários. Assim, a PM, para produzir, prende e prende em flagrante. Quem? Jovens pretos e pobres das periferias, negociando substâncias ilícitas. Boa parte deles não praticou violência, não estava armada, não estava ligada a organizações criminosas, mas eles estão entupindo as prisões e se organizando para retornar daqui quatro ou cinco anos – aí sim, envolvidos com a criminalidade. Estamos contratando violência futura. Deixamos de investigar crimes mais graves – como homicídio – porque o modelo constitucional define que a polícia ostensiva é proibida de investigar.
Qual a proposta alternativa?
A proposta é que não haja Polícia Militar. Que haja a desmilitarização e o ciclo completo. Ou seja, toda a polícia que houver cumprirá todas as atividades que pertencem à polícia, do patrulhamento nas ruas à investigação. Hoje, a PM não tem autonomia dos seus membros, não pode investigar, não está regida pela Justiça Civil e não tem as condições para cumprir essa tarefa. Mas não podemos confundir ciclo completo com unificação. A unificação é uma das formas da realização do ciclo completo. A outra forma óbvia é a multiplicação da polícia como há em outros lugares do mundo. Você pode organizá-la por dois critérios: ou por tipo criminal ou por território. Entre os caminhos possíveis para o País, vejo esses. A unificação, em alguns Estados, é insustentável.
Como viu a atuação da polícia paulista frente às ocupações das escolas públicas por estudantes?
A PM tem uma natureza incompatível com a orientação para mediação do conflito. No caso recente, transferiu-se para a polícia aquilo que é, basicamente, um erro de condução política do governo. A atitude que o governador acabou tomando teria que estar presente no próprio planejamento de toda a ação de reorganização escolar. O diálogo teria que ter antecedido todo esse processo e tudo isso seria evitado. Temos duas vezes o erro. O principal, que foi o da condução toda por parte do governo e, depois, o erro da abordagem feita por essa polícia – jogada no centro do problema quando ele já foi constituído pelo governo. São erros que se acumulam.
Outro erro recente da polícia foi a morte de cinco jovens no Rio atingidos dentro de um carro com mais de cem tiros…
Eu não chamaria de erro. Porque quando dizemos que é um erro perdemos de vista que isso é recorrente e que isso se institucionalizou. Não porque os comandos desejem, mas porque virou um comportamento padrão. Você pode falar em erro no caso do Jean Charles, o brasileiro morto pela polícia de Londres em 2005. Quantos casos como esse aconteceram na polícia londrina? Você conta nos dedos, ao longo de uma década – foi um nítido desvio do padrão de funcionamento da instituição. Mas se, de 2003 a 2014, houve 10.699 mortes provocadas por ações policiais no Estado, e elas correspondem a cerca de 16% dos homicídios, estamos falando de números absurdos, que constituem um padrão. Se se observar recortes temporais mais longos, há um padrão elevadíssimo. Há uma cumplicidade entre as diferentes instituições e isso é muito mais grave.
Você é um dos integrantes da Rede Sustentabilidade…
Sou porta-voz no Rio, a gente não chama de presidente. Somos eu e a Ana Paula Abreu.
Você não quer ser candidato?
Porta-voz, na Rede, é proibido de se candidatar. É para não fazer desses cargos trampolins para interesses pessoais.
 Um eventual cargo político na sua área não está descartado?
Não tenho nenhuma pretensão de envolvimento político direto, senão na formação do partido. Estou envolvido com os projetos dos meus livros e com a promoção do debate e da aprovação da PEC 51.
Como avalia a situação atual do País?
Estamos no fundo do poço, mas a nossa democracia tem menos de 30 anos. Uma sociedade de baixa escolaridade, que não tem a tradição do debate público inclusivo, cujas instituições democráticas são recentes… É um processo de construção. Temos que ter a perspectiva histórica. Pode não ser para a nossa geração, mas devemos continuar apostando na viabilidade de democracia brasileira. Eu, que participei da luta contra a ditadura, tendo a ter uma visão mais otimista. O pessoal da minha geração, que participou da luta clandestina e viveu aquele horror, não tem uma percepção do quadro atual tão obscura e depressiva, já vivemos situação que é infinitamente pior. Quando falam hoje “o Brasil nunca viveu…”, a pessoa não tem ideia do que foi a hiperinflação, que foi a ditadura, do que era censura. Não vivenciaram isso no cotidiano. A sensação de desespero é capaz de aniquilar os ânimos. Dos meus oito amigos de juventude, sete morreram tendo cinco deles enlouquecido antes, por motivos da ditadura. Para quem viveu aquela época, o processo de construção democrática por mais difícil que seja, é fundamental.
Que tipo de saída imagina para a atual crise política?
Minha bandeira é preservar a Lava Jato. Temos um momento de inflexão na história do Brasil. E qualquer “acordão”, qualquer esforço no sentido de obstruir a Lava Jato e acabar com esse processo deve ser combatido com toda a energia. Se há o caos e a crise, por outro lado há a Lava Jato. Esse é um fato histórico e tem uma implicação importante. Os pobres e os que conhecem a desigualdade nunca acreditaram na Justiça e na ideia de igualdade porque isso nunca ocorreu no Brasil. A polícia funciona para prender os pobres, os presídios para abrigá-los. É a marca da nossa história. E, nesse momento, temos a iniciativa da Justiça e da Polícia Federal que intervêm nas esferas do poder – algo inusitado e extraordinário. Haverá uma cisão do País – antes e depois da Lava Jato. Esse momento é decisivo. Preservar de todas as maneiras esse processo é a brecha, a pequena escotilha que pode nos fazer ver um futuro diferente e mais promissor.
Quais os seus projetos para 2016?
Para o próximo ano está programado uma série documental, em parceria com Leandro Saraiva, a partir de um livro meu – que também será lançado em 2016 – chamado O Brasil e Seu Duplo. Nele, trato da História do Brasil em alguns aspectos relevantes – escravidão, migração religiosa, a importância do tropicalismo e das transformações culturais no anos 1960 e suas implicações democratizantes. O livro é base para uma série de episódios documentais que vamos desenvolver ao longo do ano. Também vou lançar o Rio Janeiro – Histórias de Vida e Morte na Inglaterra. E existe um longa, em que sou corroteirista. Dele, só posso dizer que é uma história de ficção que abordará questões relativas à ocupação da Amazônia, à pluralidade religiosa brasileira e a suas implicações políticas.

PMPE: BEPI(CIOSAC) APREENDE ARMA DE FOGO NA ZONA RURAL DE CEDRO.

PMPE - DIRESP - BEPI

BEPI APREENDE ARMA DE FOGO NA ZONA RURAL DE CEDRO.

Na manhã de hoje, 27/12/15, por volta das 10:40h, após recebimento de denúncia acerca da posse ilegal de arma de fogo, a equipe KILO 1-BEPI /CIOSAC montou um bloqueio no povoado do Feijão Bravo, zona rural do município de Cedro-PE, onde abordaram Rafael Pedro Dos Santos, 26 anos. Ao indagar ao mesmo sobre uma possível arma de fogo que ele teria em seu poder, o mesmo assumiu no ato que a arma se encontrava em sua residência. A equipe se deslocou até a casa do envolvido onde ele apresentou uma espingarda Calibre 36, nº 243583 com 14 (quatorze) cartuchos de metal intactos do mesmo calibre. O envolvido e o material apreendido foram entregues na Delegacia de Polícia Civil de Salgueiro, onde o mesmo foi autuado em flagrante delito por posse ilegal de arma de fogo, onde foi liberado posteriormente após pagamento de fiança





GATI do 13º BPM prende elemento com uma pistola 9mm na Iputinga


FLAGRANTE POR PORTE ILEGAL DE ARMA DE FOGO DE USO RESTRITO NA COMUNIDADE DO DETRAN, IPUTINGA.

PMPE – 13°BPM

Nesta data 27de Dezembro 2015, por volta das 21:30hs a GT2000, o GATI GG 2300/2400, PB2021 do 13°BPM, em operação conjunta comandada pelo Ten VICTOR efetuaram rondas na Comunidade do DETRAN, IPUTINGA, no intuito de combater o CVLi, quando nos deparamos com PAULO HENRIQUE LOPES DO NASCIMENTO, vulgo PAULINHO,21 anos, filho de Patrícia Lopes do Nascimento e Pai Não declarado onde foi feita a abordagem e em sua cintura foi apreendida 01 ARMA DE FOGO PT 9mm com CARREGADOR e mais 07 MUNIÇÕES do mesmo Calibre, o imputado e os materiais foram conduzidos até a Central de Flagrantes para serem tomadas as medidas cabíveis ao seu RECOLHIMENTO.

M 8137657.





Coronel da PM é condenado a pagar R$ 42.000,00(quarenta e dois mil) de indenização por denunciação caluniosa contra um Soldado! A ação ocorreu com esposa do Coronel, mas ele ao chegar ao local ficou solidário a sua esposa, então foi condenado os dois solidariamente! Veja.

SÃO PAULO:





















































Se estiver com dificuldade pra ver clique AQUI

domingo, 27 de dezembro de 2015

Inauguração da Praça de Jardim São Paulo: a praça servia de concentração de drogados, lixo e mato. Agora virou um novo ambiente de lazer, PRAÇA DA COMUNIDADE. Veja.


INAUGURAÇÃO DA NOSSA PRAÇA AMANHÃ,27DEZ15, COM UMA FESTA PARA AS CRIANÇAS.

TRANSFORMAMOS O LUGAR que servia de concentração de drogados, lixo e mato. Agora virou um novo ambiente de lazer, PRAÇA DA COMUNIDADE, estaremos inaugurando domingo 16hs, com uma festa para as crianças, com direito a mini teatro, mágico, pula-pula e doces.

O lixo, o mato, foco do mosquito agente eliminou, mas a segurança realmente agente espera do estado, por isto estamos pedindo câmeras de monitoramento em nosso bairro, de ante mão em nossa comunidade.

local rua Bragança (esquina com o canal Guarulhos)
jardim são paulo.
domingo 27/12 16hs.

sgt julio cezar

































GATI do 11º BPM da PMPE prende um ex-presidiário em uma moto na Av 17 de Agosto próximo a ponte do monteiro com um revólver cal. 38, Após o pagamento de fiança ( um mil reais) o indivíduo foi liberado, veja.

PMPE-DIM-11 BPM

EX- PRESIDIÁRIO PRESO NO BAIRRO DO MONTEIRO COM ARMA DE FOGO E DROGA

Por volta das 22h25 do dia 26/12/2015, as GG 5300/5400 ao realizarem rondas na Av. 17 de Agosto, no Bairro do Monteiro, avistaram um indivíduo em uma moto, em atitude suspeita. Os PMs prontamente fizeram o acompanhamento e deram a ordem de parada. No ato da abordagem fizeram a busca pessoal, onde encontraram 01(uma) arma de fogo Calibre .38 especial, Marca Taurus, número de seria: 1552888 com 06 (seis) munições intactas e 02 bigs de maconha.
O indivíduo foi identificado como : LUIZ PAULO DOS SANTOS OLIVEIRA, RG: 6.799.050 SDS, residente na Rua Caetes, S/N, Bairro de Apipucos.
Destarte, o imputado foi encaminhado à Central de Plantôes, onde foi autuado por porte ilegal de arma.
O mesmo tem passagem no sistema carcerário por roubo e homicídio.
Após o pagamento de fiança ( um mil reais) o indivíduo foi liberado.

M- 8134784









Viatura do 11º BPM da PMPE detém dois elementos numa moto com vários celulares roubados no Buriti na Macaxeira, o festivo ligou para para a agenda do telefones e as pessoas informaram que os telefones haviam sido roubados e na Central de Plantões reconheceram os acusados como os elementos que haviam lhe roubados! Veja.

Por volta das 20h da presente data, a GT 5301 estava realizando rondas no Bairro do Buriti, quando suspeitou de dois indivíduos em uma motocicleta preta de placa KKR5813 . No qual foi realizado a abordagem e foi encontrado vários aparelhos celulares com os elementos identificados como: ALEXSANDRO LIMA DA CRUZ, RG: 7.612.584 SDS-PE e LIDEMBERG PEREIRA DA SILVA, RG: 7.852.139 SDS-PE. Desconfiando da versão dos elementos conseguimos entrar em contato com as Vítimas onde nos informaram que foram assaltadas por 2 elementos numa moto. Ao chegar na Central de Plantões as vítimas reconheceram os elementos e os aparelhos celulares. Conduzimos os elementos juntamente com as vítimas para a Autoridade Policial tomar as medidas cabiveis na Central de Plantões.

M 8134141





sábado, 26 de dezembro de 2015

PMs do 14º BPM da PMPE, prende dois elementos armados com dois revólveres na hora que iriam cometer um homicídio num bar em São José do Belmonte! Os acusados haviam roubado uma moto no Ceará é uma equipe da PM daquele Estado também se fez presente no momento da prisão, veja.

PMPE - DINTER II - 14° BPM
2@CPM - São José do Belmonte

Prisões por porte de armas de fofo.

Ação da equipe policial da 2@CPM do 14°BPM evita um homicídio em Belmonte.
Dois elementos são presos portando dois revólveres em uma seresta nesta madrugada no bairro Vila Delmiro. Um dos elementos confessou que a intenção deles era matar outro que era desafeto deles e se encontrava também no bar.

Imputados: José nicacio da silva
José Carlos da Silva araujo

Na ação, esteve presente também uma equipe da Força Tática da PMCE, Sgt Henrique, que estavam também a procura dos elementos, pois são daquele estado e já haviam roubado um moto em Brejo Santo-CE.





quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Feliz Natal





PB do 17º BPM da PMPE prende um elemento suspeito de homicídio com uma pistola 9mm com 05 munições! Veja

PMPE DIM 17°BPM/ PB 8111

APREENSÃO DE ARMA de fogo

M- 8126390

LOCAL DO FATO: rua Ceilão, centro, Igarassu - PE.
(Comunidade do bambu).

DATA/HORA: 24/12/15 09h.

OCORRÊNCIA:

Quando de serviço, na PB 8111, realizamos rondas com abordagem na centro Igarassu, onde há várias informações que um elemento de vulgo "RAUL" porta, livremente, armas de fogo (pistola, revólver, espingarda calibre 12) na comunidade do bambu. Ao passar na rua onde o mesmo reside, conseguimos aborda lo com uma pistola 9mm, municiada 05 munições do mesmo calibre. Foi realizado incursões na localidade, para tentar localizar o restante das armas, porém sem êxito.
Conduzimos o elemento para à DELEGACIA DE PAULISTA, para que fossem adotadas as medidas cabíveis pela autoridade policial competente.

MATERIAL APREENDIDO:

01 pistola 9 mm
01 carregador
05 munições cal. 9mm

RESULTADO:

01 encaminhamento;
01 recolhimento.

CRIMES:

Porte ilegal de arma de fogo, de uso restrito das forças armadas.

DADOS DO AUTUADO:

NOME: Anderson Carlos Batista de Albuquerque.
VULGO: RAUL
N° DOC.: s/ documentos.
Data nasc: 01/10/1993
FILIAÇÃO: Vilma Batista de Albuquerque;
ENDEREÇO: rua Ceilão, N° 240, centro, Igarassu - PE.

OBS: Esse elemento é apontado pela comunidade, como sendo de alta periculosidade, suspeito de vários homicídios e de portar vários tipos de armas de fogo (02 revólver calibre 38, 01 espingarda calibre 12 e essa pistola 9mm, ora apreendida)





Veja o pronunciamento do Comandante Geral da PMPE sobre a sanção peloGovernador do Estado da Lei Complementar 320, sobre o PCC Plano deCargos Carreiras dos Militares de Pernambuco.







Para ver clique AQUI  e vá até a página 4

Para ver só a Lei Complementar 320 que redefine o Planos e Cargos e Carreiras dos Militares de Pernambuco clique AQUI

Governador de Pernambuco sanciona a Lei Complementar 320, Plano de Cargos Carreiras dos Militares de Pernambuco, veja.





































































Para ver clique AQUI  e vá até a página 4

Para ver só a Lei Complementar 320 que redefine o Planos e Cargos e Carreiras dos Militares de Pernambuco clique AQUI

GATI DO 13º BPM DA PMPE DETÉM ELEMENTO FLAGRANTE POR TRÁFICO DE DROGAS E PORTE DE ARMA DE FOGO NA TORRE.

FLAGRANTE POR TRÁFICO DE DROGAS E PORTE DE ARMA DE FOGO NA TORRE.

PMPE – 13°BPM

Nesta data 23 de Dezembro de 2015, por volta das 14:40hs o GATI GG 2300/2400 do 13°BPM, efetuavam rondas na comunidade da IPUTINGA,com intuito de combater o CVLI nos deparamos com um veículo CELTA cor PRETA, PLACA KKA 2286 onde foi feita o acompanhamento e a abordagem nas proximidades do Núcleo de Policiamento da 2°Cia do 13BPM onde foi encontrado 01 ARMA DE FOGO, CAL.38, TAURUS, N°IG182985 mais 05 MUNIÇÕES de Cal.38 e 30 PEDRAS DE CRACK TAMANHO MÉDIO de aproximadamente 05grs cada uma, com o condutor JOÃO DOMINGOS DOS SANTOS NETO ,Vulgo BURRO, 21 anos, RG.8452856 filho de Lindinalva Gomes dos Santos e Pai Celio Domingos dos Santos . Salientando que este veículo era usado para ações delituosas no bairro da IPUTINGA. imputado e os materiais foram conduzidos até a Central de Flagrantes para serem tomadas as medidas cabíveis ao seu RECOLHIMENTO, culminando assim em mais um PONTO DE DROGAS DEBELADO NA ÁREA AIS-2.

M.8125145





Elemento é detido pelo GATI do 11º BPM com um tablete de maconha de aproximadamente 1/2(meio kilo), além de 28 Big Big da mesma erva pronta para o consumo em Nov Descoberta, veja.


GG 5700/ GG 5800

Quando em rondas no bairro de Nova Descoberta, recebemos uma denúncia que o JHONNATAN WESLEY GOMES DE FREITAS, de RG 6994067 SDS-PE, de 27 anos, de vulgo (HOMINHO) traficava em uma residência que alugou a pouco mais de duas semanas. Logo fomos ao local citado onde foi encontrado e apreendido 28 Big de maconha e 01 tablete de aproximadamente 500g da mesma droga no interior da geladeira. O Imputado confessou a prática e informou que adquiriu a droga por um Mil reais no bairro do Janga. Conduzimos para Central de Flagrantes onde o mesmo foi autuado em flagrante delito por tráfico.

M 8126067









quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Barreto Campelo: retirada e contenção de presos feitas pelo Choque e pela GOS (do sistema) e a revista propriamente dita realizada pelos agentes penitenciários.

As armas estavam no telhado.










Veja a entrevista do Governador de Pernambuco referente ao ano de 2015, ele fala de Segurança Pública, Saúde, Educação e das demais áreas e também fala do ano vindouro de 2016, existe texto e vídeo! Veja.

Texto



















Paulo Câmara: "Não foi um ano perfeito, mas fizemos o que era possível"



Perto de finalizar o primeiro ano como governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB) culpou a crise econômica por problemas em áreas estratégicas de sua gestão, como Saúde e Segurança. “Costumo dizer a minha equipe que não foi um ano perfeito, mas fizemos o que era possível”, sintetizou na entrevista concedida aos repórteres Felipe Viera, de Cidades, e Franco Benites, de Política. O socialista também cobrou mais diálogo por parte do governo federal e enfatizou que é necessário um esforço nacional para combater o mosquisto Aedes aegypti, transmissor da dengue, chicungunha e zika vírus, esse último associado a inúmeros casos de microcefalia.

JORNAL DO COMMERCIO: Pernambuco hoje está melhor do que como o senhor recebeu?
PAULO CÂMARA: Em termos fiscais, a gente vai terminar o ano melhor do que começamos 2015. Agora, não dá para dizer que está melhor tendo 70 mil desempregados como ocorreu este ano, tendo um PIB que até o terceiro trimestre está decrescendo dois pontos percentuais, com o País nesta confusão que está, sem a população acreditar e ter expectativa de futuro positiva, sem saber como vão estar funcionando as instituições em 2016, ou seja, com a falta de previsibilidade total. Tivemos um ano muito difícil pela falta de previsibilidade. Todas as previsões, todo o planejamento que foi feito em 2014 esbarrou nessa crise econômica sem precedentes que conjugou com a crise política que fazia muito tempo que não se via. Essa conjunção está sendo explosiva e fazendo muito mal ao País.
   
JORNAL DO COMMERCIO: Quais as principais dificuldades financeiras que o Estado teve?
PAULO CÂMARA: A gente começou o ano com uma projeção. Tivemos que rever com o carro andando, ajustar o nosso orçamento como todos os brasileiros tiveram que ajustar seus salários à nova realidade brasileira com inflação. O ICMS foi a grande frustração nossa. o ICMS nunca cresceu menos que a inflação nos últimos 20 anos. Só isso, o fato de não cobrir a inflação, já dá uma perda de R$ 900 milhões. Também houve uma baixa brutal nos convênios, muitos deles em parceria com o governo federal, e o item que mais caiu foram as próprias operações de crédito. Tivemos uma queda de R$ 86 milhões que afetou de maneira muito clara o investimento do Estado. Tínhamos o projeto de investir R$ 1 bilhão e, até novembro, investimos R$ 1,058 bi. Devemos fechar o ano com 1,1 bi. Costumo dizer a minha equipe que não foi um ano perfeito, mas fizemos o que era possível.
   
JORNAL DO COMMERCIO: Qual o maior desafio que o senhor deve enfrentar em 2016?
PAULO CÂMARA: O desafio é realmente oferecer serviços públicos dentro das estruturas que a gente tem e que atendam cada vez melhor, que possam dar resultado, que as pessoas vão a um posto de saúde e saibam que vão ser atendidas, que elas possam saber que o número de homicídios vai se reduzir. Esse é um desafio. A gente precisa reduzir o número de homicídios para o próximo ano. Para isso, a gente tem que fazer políticas preventivas, de combate às drogas, de desarmamento, políticas de prevenção para diminuirmos o número de crimes de proximidade, crimes banais, que são frutos de uma perda de cabeça momentânea. São desafios que não são diferentes do que tivemos em 2015. O desafio maior é o Brasil voltar a crescer, a funcionar. Isso vai nos dar possibilidade de também planejar de outra forma, de seguir outro caminho. A meta em 2016 é melhorar a qualidade do serviço oferecido.
   
JORNAL DO COMMERCIO: Em seu primeiro ano como governador o senhor carrega alguma frustração?
PAULO CÂMARA: A frustração que sinto é não poder contar com aquilo que a gente esperava minimamente. Principalmente no âmbito das receitas. Justamente, no primeiro ano de nosso governo estarmos enfrentando a maior crise econômica que os Estados da federação e os municípios enfrentaram pelo menos nos últimos 20 anos. Converso com os governadores. Alguns iguais a mim, começaram agora, outros foram reeleitos e outros já foram governadores e voltaram agora. Todos são unânimes em dizer que foi o ano mais difícil de se governar os seus Estados. A gente sabe que podia ter feito muito mais se a situação política e econômica tivesse com um mínimo de normalidade. Temos um programa de governo bem pensado, bem embasado, que dialoga com o futuro, que dialoga com a necessidade de Pernambuco e que está hoje sem poder avançar como a gente gostaria em virtude dessas frustrações. Tem a frustruação da Saúde. Com a crise, houve uma demanda de serviços, os municípios fecharam postos de saúde. Sei onde tenho que ampliar, o que tenho que fazer, nossas unidades estão praticamente prontas e poderiam estar funcionando como as UPAes e eu não posso colocar porquê? Preciso da garantia que a federação vai me passar recursos, que os serviços vão ser credenciados no SUS e essa garantia não está sendo dada. Quando abro uma UPAe o município tem que dar sua contrapartida também e o município não tem condições. Isso é uma frustração saber que a gente pode avançar no serviço de saúde e não tem como. Na segurança, a frustração é saber que a gente precisa contratar mais policiais militares e civis e  não posso fazer. O concurso até que eu vou fazer, mas não vou poder contratar de imediato a quantidade de pessoas que gostaria porque estamos sem espaço fiscal para isso. Essas frustrações existem porque temos um planejamento bem-feito, sabemos onde devemos atacar, sabemos o foco dos desafios e estamos com a mão atada por falta de recursos.
   
JORNAL DO COMMERCIO: O governo da presidente Dilma Rousseff (PT) atrapalhou a sua gestão?
PAULO CÂMARA: A situação econômica e política do País atrapalhou todas as gestões, não foi só a minha não. Atrapalhou os municípios, os Estados. Ficamos sem resolução de muitos desafios que foram colocados à mesa ao longo deste ano e ainda estamos sem porta de saída. A situação política do País qual é? Um processo de impeachment aberto, que não tem prazo de início e de finalização, conduzido por uma pessoa que não tem legitimidade para conduzir. Ou seja, qualquer resultado que der o processo de impeachment vai ser questionado pela forma de condução, se for essa pessoa (o presidente da Câmara Federal Eduardo Cunha, do PMDB do Rio de Janeiro) que vai conduzir o processo. Está todo mundo esperando para ver o que vai acontecer, investidores principalmente, e o Brasil parado. Até quando parado? Em plena democracia, a gente está com tantos empecilhos de funcionamento das instituições. É justamente o que Eduardo Campos dizia: o estado do controle está funcioando, mas o estado do fazer não está funcionando. As instituições do fazer, tanto o Executivo quanto o Legislativo, estão sendo colocadas em xeque sem previsibilidade de saída.
   
JORNAL DO COMMERCIO: O senhor falou que esperava renegociar aumento de salário com os servidores estaduais após a divulgação do relatório fiscal do primeiro quadrimestre de 2016. Eles vão receber uma boa notícia ainda nos primeiros seis meses do próximo ano?

PAULO CÂMARA: Vamos fechar o ano com o limite de comprometimento com pessoal em torno de de 47%, talvez um pouco menos. Ainda não dá brecha nem espaço fiscal para dar aumento de salário. A gente sabe que precisa contratar mais. Procuramos juntos com o servidor, e eu só tenho a agradecer a compreensão, mostrar a situação. Mostrar claramente que se a gente tivesse avançado em qualquer tipo de reajuste, nós não estávamos pagando o décimo-terceiro, nós não estaríamos pagando o salário de dezembro como vamos pagar. Então, estaríamos em uma situação que outros Estados estão sofrendo, de dividir décimo-terceiro salário em seis vezes. Muitos não têm previsão de pagar a folha a partir de fevereiro. Garantimos o mínimo que é pagar o salário e vamos agora, a partir de 16, se a economia melhorar, porque sem crescimento de receita não tem como avançar no funcionalismo público, buscar as soluções. No âmbito da segurança, nós não podíamos dar salário, mas demos a maior promoção da história da Polícia. Fizemos com que a carreira fosse destravada, que as pessoas tivessem uma perspectiva de entrar como soldado e pudessem ser cabo e ser sargento de acordo com seu mérito. Fizemos com que as escolas oferecessem condições de ensino para seus professores, que os alunos tivessem condições de aprender. Na Saúde, estamos buscando enfrentar esse problema das superlotações porque é isso que gera o estresse no funcionalismo. Sei o que é ser servidor público, como são as demandas, como poder motivar um servidor. Então, logo tenha condições vou fazer isso.
   
JORNAL DO COMMERCIO: O Estado está preparado para combater o mosquito Aedes aegypti e enfrentar os casos de microcefalia?
PAULO CÂMARA: A microcefalia a partir da zika é uma doença a ser escrita, né? A gente não sabe efetivamente o que essas crianças vão precisar de apoio realmente. Vamos ter que montar nossas estruturas de acordo com o que vai acontecendo. Hoje a gente está se estruturando para os casos que a gente conhece de microcefalia. Quais as reações das crianças, das famílias? Pode ser que a reação seja mais suave ou mais pesada. Temos que fazer uma ação preventiva muito forte para não ter a quantidade de crianças nascendo com microcefalia que tivemos este ano. Então, os próximos meses são fundamentais para atuar neste campo que é combater mesmo o mosquito. Não temos previsão de ter vacina porque isso não se faz do dia para a noite. O mosquito está presente na vida das pessoas há muito tempo. O Brasil é um País que tem pouco esgotamento sanitário, em torno de 30% das residências. Estamos enfrentando a maior seca dos últimos anos pelo quinto ano consecutivo a partir de 2016 e as obras estruturadoras que dariam algum conforto a essas famílias não ficam prontas, estão se arrastando e não têm prazo de conclusão nos próximos anos. Isso faz com que as pessoas guardem mais água e essa água hoje tem sido o grande foco de criadores. Ao mesmo tempo, as pessoas já estavam meio acostumadas a todo ano saber que entre janeiro, fevereiro e março, poderia ter uma dengue, uma febrezinha ou um febrão. Mas tomavam um remédio, já sabem que remédio pode ou não tomar, sabiam que iam ter três quatro dias de repouso, o posto médico que podiam procurar, já tinham conhecimento ali de como tratar a doença. Um certo relaxamento de como prevenir a doença. E nos deparamos de uma hora para outra com uma questão muito grave, de termos crianças com microcefalia. Pernambuco apresentou ao Brasil o zika relacionado à microcefalia, mas não vai ser de maneira nenhuma o único Estado onde vai acontecer isso. Isso vai ocorrer no Brasil de maneira muito forte e se não houver um esforço nacional muito grande de cuidar disso vamos ter mais na frente uma situação de saúde pública das mais graves que já existiram aqui.
   
JORNAL DO COMMERCIO: Diante da crise econômica, o senhor pensa em promover um corte de secretarias como foi cogitado anteriormente? 
PAULO CÂMARA: Estamos sempre nos adaptamos. Quando iniciei o governo, peguei uma estrutura razoavelmente enxugada por Eduardo, estruturada, com diminuição de cargos comissionados, do número de secretarias. Pernambuco hoje, pode fazer esta pesquisa, é o Estado que deve ter menos cargos comissionado do Brasil. O valor desses cargos comissionados com certeza é o menor do Brasil, em termos de remuneração de secretários, diretores, gerentes. Nunca descarto fazer ajustes na máquina pública, mas hoje o que a gente vê é que precisa aperfeiçoar muita coisa ainda que ficou pelo meio do caminho por causa do dinheiro. A gente está precisando avançar muito em muitas áreas e em cada secretaria e para isso vai exigir ainda um esforço muito grande.
   
JORNAL DO COMMERCIO: Em relação à segurança pública, qual a meta do governo estadual para 2016?

PAULO CÂMARA: A gente tem que continuar o trabalho que iniciou. Acho que 2015 poderia ter sido melhor nesta área de segurança, poderíamos ter avançado mais diante do que fizemos. Começamos o ano com um aumento muito grande de violência. Janeiro e fevereiro foram os piores meses do número de homicídios em Pernambuco. Isso foi sendo reduzido. Chegamos a junho e julho, quando começaram as negociações salariais, e aí tivemos um pouco de desequilíbrio nas ações. Isso fez com que os meses de setembro e outubro fossem muito ruins. Outubro, principalmente quando ficou aquela discussão sobre o ciclo completo, uma discussão que não cabia ser feita aqui porque não tem governança no âmbito do Estado. Tivemos que fazer remanejamento de pessoas, mudança de equipe atá para dar um freio de arrumação porque a gente identificou que podia melhorar. O trabalho continua e é incansável. Vamos conseguir reduzir os homicídios, não tenho dúvidas disso. O Pacto pela Vida é uma política reconhecida, acertada, que ao longo da sua trajetória salvou mais de dez mil vidas. Esse momento de inflexão está acontecendo em todo o Brasil como já estava acontecendo antes. Pernambuco, na verdade, é um ponto fora da curva e agora ficou um ponto igual a todos. Mas a gente vai voltar a ser um ponto fora da curva ou voltar a cair junto com outros Estados brasileiros. Isso vai voltar a cair porque é uma situação que não se sustenta, que a gente não admite como governantes. Os policiais estão incomodados também.
   
JORNAL DO COMMERCIO: Quando o governo irá finalizar a radial da Copa?
PAULO CÂMARA: A radial da Copa está dentro do pacote do corredor Leste-Oeste. Está nas obras pendentes que vão ser relicitadas para conclusão no final de 2016 e início de 2017. Era da Mendes Junior (construtora investigada pela Operação Lava Jato). Tudo o que foi da Mendes Junior eu tive que rescindir e fazer novas licitações. Para rescindir, tenho que fazer o replanejamento.
   
JORNAL DO COMMERCIO: O estudo do governo do Estado e da Infraero para ser entregue à TAM com o modelo de negócios para receber o hub ficou pronto?
PAULO CÂMARA: Já foi entregue. Tudo o que foi pedido a gente entregou. O modelo trata de uma parceria com a Infraero, em que a área onde é a base aérea seria concedida para a construção de um novo terminal. É dentro de uma parceria que envolveria uma engenharia financeiro-econômica que é novidade para a Infraero, que é novidade para a Latam, mas que é perfeitamente possível e que é feita em todo o mundo.
   
JORNAL DO COMMERCIO: A Jeep já afirmou que mantém seu interesse na Fábrica Tacaruna como ponto de convergência para seus investimentos em pesquisa, mas falta o governo encaminhar a doação do terreno à Assembleia. Isso será feito?
PAULO CÂMARA: Estamos conversando. É uma área que tem restrições. É um patrimônio histórico e cultural, mas que mantidas todas as prerrogativas de licenciamento do patrimônio histórico pode ser utilizada por um centro desses, que é algo para o futuro, que pensa capacitação e profisionalização de jovens. É uma opção que a gente entende que é bem-vinda. Está se conversando e a deliberação deve ficar para 2016.
   
JORNAL DO COMMERCIO: O que é possível fazer para que as obras da Transnordestina avancem do lado de Pernambuco e não apenas do lado do Ceará?
PAULO CÂMARA: Pressionar, como estamos pressionando. Estamos buscando uma resolução rápida. A verdade é que não há dinheiro para fazer os dois ramais e o pouco dinheiro que tem está se fazendo no lado do Ceará porque estava mais atrasado que o de Pernambuco.
   
JORNAL DO COMMERCIO: A obra está avançando no Ceará por uma inteferência política?
PAULO CÂMARA: Não, porque a gente avançou mais, mais rápido. Eles estão priorizando agora o que estava mais atrsado para dar uma uniformidade na obra. O que vai nos dar um alerta é se esse obra andar em um ritmo satisfatório lá e aqui não andar nada. Por enquanto, ainda está dentro de atributos de gerenciamento que a gente entende que tem uma certa lógica.
   
JORNAL DO COMMERCIO: Quando o senhor terá audiência com o presidente da Petrobras, Aldemir Bendine? Vai tratar da situação dos estaleiros no Estado?
PAULO CÂMARA: Já pedi e vou reiterar. Acho que a Petrobras está conduzindo de maneira errada esse processo em relação aos estaleiros, ao cancelamento de encomendas. Isso precisa ser conversado conosco. Não vou admitir que o governo de Pernambuco fique fora dessa mesa, dessas tratativas. Investimos muito na infraestrutura desse polo. Gera muito emprego e renda, faz bem para o País, não apenas para Pernambuco. Não vamos admitir esse retrocesso e esse erro caso o que a gente ouviu no noticiário seja realmente concretizado.
   
JORNAL DO COMMERCIO: A refinaria Abreu e Lima será um assunto debatido também nessa audiência?
PAULO CÂMARA: A gente tem recebido sinalizações que está no plano de negócios a retomada da refinaria. Inclusive, vários contratos estavam sendo repactuados desde agosto. Eles já colocaram 1,4 bilhão de dólares no plano de negócios. A refinaria precisa ser concluída. Ela é fundamental para o País refinar o petroleo, para ter oferta de diesel. Entendo que essa é uma questão que a Petrobras tem interesse em resolver logo. As licenças ambientais estão andando bem, mas é uma via de mão dupla. Eles têm que apresentar o plano de negócios e a gente concede as licenças de acordo com a evolução desse plano de negócios. Não vou conceder licença sem o negócio ser retomado da maneira que está pactuado. Isso faz parte inclusive do contrato. As etapas de licenciamento são proporcionais às etapas de andamento da obra.
   
JORNAL DO COMMERCIO: O senhor disse que o Estado vai construir um presídio de segurança máxima? Qual o planejamento?
PAULO CÂMARA: Temos uma superlotação muito clara no nosso sitema prisional e isso dificulta o processo de ressocialização. Dificulta muito mais quando os presos perigosos estão junto de presos que têm penas menores ou de presos provisórios. Precisamos ter um presídio de seguraça máxima justamente para separar o joio do trigo para dar condições de administração, de gestão, de ressocialização melhores. Isso foi identificado a partir de incidentes que a gente teve em janeiro deste ano. Uma rebelião tem origem muitas vezes em poucas pessoas. Temos um valor aproximado, se não me engano, em torno de R$ 40 milhões para um presídio de 560 vagas. A construção do presídio é muito mais cara do que a construção de uma obra física porque tudo é dobrado. É um obra cara. Estamos buscando parcerias, vamos ver como fazer. O problema maior não é construir, é manter.
   
JORNAL DO COMMERCIO: O ano de 2016 é de eleições. Como vai ser a postura do senhor onde houver mais de um candidato da base aliada?
PAULO CÂMARA: Tenho uma aliança muito grande, mas vou dar equilíbrio em 2016. Iremos apoiar quem nos ajudou. Se tiver lugar em que mais de uma força nos ajudou a gente vai saber dar o equilíbrio necessário para isso também. Agora, apesar de estarmos pertinho de 2016, está muito longe para começar a se discutir eleição municipal. Estamos em um momento em que se não se resolver o Brasil vamos ter as eleições municipais mais complicadas no âmbito político. O Brasil precisa ser resolvido. Esse processo de impeachment está aberto. Ninguém vai discutir eleição com o Brasil pegando fogo. O povo não quer nem discutir isso, quer que o Brasil volte a crescer, a gerar emprego, que os serviços públicos funcionem.
   
JORNAL DO COMMERCIO: Alguns partidos de sua base reclamam da falta de espaço ao governo? Essas reivindicações chegam aos seus ouvidos? 
PAULO CÂMARA: A maioria que me apoiou está me ajudando. A gente tem um dos menores números de cargos comissionados. Isso em si já é um empecilho para a ampliação de espaços. Estou sempre conversando com partidos e não tenho recebido demanda de aliados sobre espaços políticos. Pelo contrário. Eles entendem a nossa forma de gerir, sabem que a gente não politiza gerência regionais de saúde e de educação. Desde o governo Eduardo, a gente colocou a meritocracia nisso. Os secretários de outros partidos têm nos ajudado, a equipe é integrada, funciona bem. Se a gente entender que precisa ampliar ou dimunuir a gente vai conversar, ouvir. Quero manter minha aliança, quero manter as pessoas que me ajudaram junto de mim. Confiaram em mim como candidato e quero que confiem em mim como governador.
   
JORNAL DO COMMERCIO: Como o senhor classifica a sua relação com a oposição na Assembleia Legislativa?
PAULO CÂMARA: A oposição é normal, faz parte da democracia. A oposição faz suas críticas e a gente rebate o que a gente entende que está errado e acata o que pode estar certo. Tenho muita tranquilidade em relaçao ao trabalho da oposição. Nossos deputados estão se defendendo de maneira muito eficaz. Não tive dificuldade de aprovar projetos em favor de Pernambuco. É um governo que dialoga, que procura fornecer todas as informações, que não esconde nada. A gente ao mesmo tempo facilita o trabalho de nossos apoiadores e da oposição, que com base nas informações pode fazer suas críticas e sugestões. As sugestões são bem-vindas, não tenho preconceito com nada. O que a gente puder implantar a gente implanta.
   
JORNAL DO COMMERCIO: O Estado tem interesse em renegociar o contrato com a Arena Pernambuco. A situação está perto de um desfecho?
PAULO CÂMARA: A Fundação Getúlio Vargas (FGV) está finalizando seu estudo. A gente entende que o modelo de gestão compartilhado precisava ser revisto. As condições mudaram demais da época em que o modelo foi pactuado para hoje. A FGV vai nos dar essa luz e com base nisso vou conversar com o parceiro privado para mostrar a nova realidade e o que o Estado pode e entende que precisa ser feito.
   
JORNAL DO COMMERCIO: Em tempos de rixa entre o vice-presidente Michel Temer (PMDB) com a presidente Dilma Rousseff (PT), como o senhor avalia a relação com o vice-governador Raul Henry (PMDB)? 
PAULO CÂMARA: Raul é um parceiro. Ele tem ajudado a gente demais tanto na área técnica quanto na articulação politica. Tem ajudado na gestão. Não tenho o que dizer dele, pelo contrário. Tenho que agradecer a ajuda que me deu neste primeiro ano como governador de Pernambuco.
   
JORNAL DO COMMERCIO: O senhor sentiu de alguma forma a comparação com o ex-governador Eduardo Campos?
PAULO CÂMARA: Eduardo faz muita falta, não apenas para Pernambuco, mas para o Brasil no momento que nós vivemos. Eduardo, quando saiu do governo federal em 2013, e decidiu que era hora de encontrar um novo caminho,  nuita gente questionou. Mas Eduardo estava certo. Tudo aquilo que ele dizia que ia acontecer com o Brasil está acontecendo agora. Acontecendo da maneira que ele pensou e previu, mas ele ainda foi conservador. Está acontecendo pior do que ele previu.



Fonte: jornal do commercio

GATI do 11º BPM da PMPE prende um trio com uma espingarda 12, além de 36 Kg de maconha prensada e 15 (quinze) Kg de uma substância de um pó branco a ser identificado pelo IC! Os acusados foram autuados em flagrantes na Central de Plantões! Veja.

PMPE-DIM-11 BPM

APREENSÃO DE DROGA E ARMA DE FOGO NO BAIRRO DA LINHA DO TIRO

Por volta das 16h30 de 22DEZ15, as GGs 5100/5200 receberam informes de colaboradores, que naquele momento estaria chegando uma carga de drogas no Córrego do Abdias, na residência de nº 175, em Linha do Tiro. De pronto, as equipes seguiram ao local;lá chegando, encontraram três elementos no interior do imóvel, sendo qualificados como: JOSÉ JACKSON MELO DO REGO (presidiário, em liberdade condicional) de 25 anos, RG nº 7.299.797/SDS-PE, filho de Ana Helena Melo do Rego; JERLUCIO AMARO DA SILVA, RG nº RG 5.719.816/ SDS-PE, filho de Joneide Ribeiro da Silva, e FLAVIO LUIZ VIEIRA DE FRANÇA , RG nº 7.020.082/SDS-PE, filho de Fátima Maria Vieira de Melo, onde após realizadas buscas no interior da casa, foram encontrados cerca de 36 (trinta e seis) Quilos de maconha, 15 (quinze) Quilos de uma substância de um pó branco (a ser identificado pelo IC) como também, uma espingarda Cal. 12 com duas munições intacta.
Diante dos fatos, os suspeitos foram encaminhados à Central de Plantões, onde foram autuados por tráfico de drogas.
Adianto, ainda, que havia duas adolescentes no imóvel, as quais foram também encaminhadas a GPCA, contudo, a autoridade policial determinou que fossem entregues aos seus familiares, sem que fossem ouvidas.









ROCAM do 8º BPM da PMPE apreende quase 77 Kg de maconha vinda do Piauí para Caruaru trazida por um maranhense, veja.

PMPE - DINTER II -AIS23/8° BPM

OPERAÇÃO SATURAÇÃO POR QUADRANTES

TRÁFICO DE DROGAS

Nesta data, a ROCAM com o apoio da GT Operações, realizaram abordagens no Terminal Rodoviario desta cidade, no Ônibus da Empresa Cruzeiro,localizando em poder de Ivan Nascimento da silva, 18 anos, Gesseiro, natural de Imperatriz-MA, aproximadamente 76 Quilos e 400 Gramas de Maconha; afirmando o referido que recebeu a droga de um desconhecido na cidade de Teresina-PI, para conduzi-la à Caruaru-PE, por uma recompensa de 500 reais. A ocorrência foi encaminhada à DPC local, onde o jovem foi Autuado em Flagrante Delito e em seguida Recolhido ao PSAL.

B.O N: 4082

Efetivo:
SGT Espedito
CB J Gondim
SD B Sobrinho
SD Valdeci
SD Daniel
SD Clayton
SD Adriano Leite
SD Bartolomeu

8º B P M





GATI do 13º BPM da PMPE prende um elemento com 17 pedras de crack e um revólver cal. 38, o acusado ainda tentou se evadir, mas não logrou êxito! Veja.

APREENSÃO DE ARMA DE DROGA NA IPUTINGA

PMPE – DIM – 13ºBPM

Nesta data, 22 de dezembro de 2015, por volta das 19h, as GG’s 2500 e 2600, quando em rondas pela Rua Cordislândia, Iputinga, um indivíduo ao avistar o policiamento correu segurando um objeto na linha da cintura. O policiamento ao fazer um acompanhamento do suspeito, o alcançou na referida rua, dentro do imóvel nº 933. O suspeito soltou uma arma debaixo da cama e se apresentou ao efetivo que o identificou como sendo JADSON FERREIRA DA SILVA, filho de Luzinete da Silva Soares, nascido em 23/02/1997, RG 10138558SDS/PE, com o qual foram encontradas 17 (dezessete) pedras de crack. O policiamento recuperou a arma, que Jadson se desfez, que era um revolver Taurus, Calibre 38, nº 1029245, com 04 (quatro) munições, sendo duas pinadas. Jadson foi conduzido à CPC para serem tomadas as medidas cabíveis ao seu recolhimento. Culminando assim em mais um ponto debelado. M8124207.

FONTE: NICM2/13ºBPM





terça-feira, 22 de dezembro de 2015

ACS-PE deseja aos PMs e BMs um Feliz Natal e um Próspero Ano Novo!


Você Policial Militar que faz segurança em Supermercado justiça reconheceu seu vínculo empregatício com o supermercado! Veja.


ROCAM da 5ª CIPM prende elemento com 91 papelote de maconha mais 408g da mesma droga em natura e R$ 1.025,00 em espécie em Gravatá! Veja.

Quando de rondas na comunidade do caic, avistamos um elemento em atitude suspeita, sendo este Marcos Henrique da Silva, vulgo "Marquinhos", 19 anos, residente a rua Jurandir Correia de Melo, 808. Ao proceder com a abordagem foram encontrados 4 papelotes de Maconha no bolso da bermuda. Ao ser indagado aonde residia o imputado tentou ludibriar o efetivo, comprometendo-se em seguida em colaborar, realizando buscas na residência foram encontrados mais 91 papelotes de maconha, 408 gramas de maconha em natura e a quantia de 1.025,00. Em seguida foi solicitado o apoio da segunda seção na intenção de identificar possíveis comparsas. Posteriormente o imputado e todo material apreendido foram encaminhados até a DP local.
EFETIVO:
ROCAM:
CB Cristóvão
Sd Marcos Filho
Sd Raniere





E atenção! Ministério Público atende requerimento da ACS-PE e abre investigação preliminar para apurar as escalações de Cabos e Soldados da PMPE e do CBMPE no Comando de Guarnição e da PMPE em custódia de presos! A Promotoria de Justiça e Direitos Humanos, PJDH mandou notificar o Comandante Geral da PMPE e o Secretário de Defesa Social de Pernambuco para prestarem esclarecimentos naquela Promotoria, veja.

Ministério Público atende solicitação da ACS-PE
ACS-PE No último dia 01/09/15, compareceu na presença de seu presidente Albérisson Carlos e sua Diretoria, no gabinete do Promotor de Justiça Westei Conde, o qual solicitou que fosse aberto inquérito para investigação no tocante as seguintes solicitaçoes:
A) Comando de guarnição guarnições por cabos e Soldados
B) Custódia de presos, em substituição os Agentes de Segurança Penitenciária/ASPEN
C) Realização de patrulhamento unipessoal.
www.acspe.com.br